My music...

https://youtu.be/IhAFEo8DO2o

domingo, novembro 09, 2008

Outras poesias...outros poetas...

CACILDA CELSO . Nasceu em Lisboa...passava o ano de 1929.

Escreveu o primeiro livro (muito intimista) em 1955 e, só três anos depois, vê reconhecidos os seus méritos...em traços clássicos da sua paixão de escrita - Sonetos.

Munícipe, de Cascais...CACILDA CELSO, sempre soube dizer presente, em momentos de evasão, como este seu livro ( LINHA MARGINAL ), que recordo com saudade, decorria o Verão de 1993...



picture by EDGAR SILVA

GAIVOTAS

Trajando como noivas virginais,
ainda mais graciosas que crianças,
as suas brancas vestes irreais
são puras como tules de esperanças...

Pousando ora nos lisos areais,
pousando ora nas águas quando mansas,
gaivotas são proféticos sinais
de próximas procelas ou bonanças.

Embora sempre em bando e nunca sós,
transmitem uma angústia em sua voz
que nem as próprias asas atenua.

Gaivotas: - aves feitas de Poesia.
Que sofrem desse mal da nostalgia
que põe cada Poeta de alma nua!...

in LINHA MARGINAL - by Cacilda Celso - edit - C.M.C. 1993


52 comentários:

JPD disse...

O poema é excelente.
Vou guardá-lo porque Cascais é uma vila que me acolheu e onde me sinto muito feliz, apesar de demandar Lisboa diariamente.
Um abraço para ti.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido Outono, lindíssima esta postagem... M A R A V I L H O S A ... Gostei de conhecer esta poetisa através de ti... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Deusa Odoyá disse...

Olá meu estimado amigo OUTONO.
Não conhecia essa poetisa e através de seu poemas, tive o prazer.
Mutio belo e sublime esse poema.
Uma abraço de muito carinho, e uma semana repleta de muita paz e luz. Beijos da amiga do lado de cá.

Regina Coeli.

Cleopatra disse...

Gaivotas: - aves feitas de Poesia.
Que sofrem desse mal da nostalgia
que põe cada Poeta de alma nua!...


Um dia escrevi qualquer coisa com gaivotas e por causa de um beijo...
:-)))

Maria disse...

Não conhecia, e afinal aqui tão perto...
È um lindo poema e uma belíssima pintura, o que nos deixas hoje...

☆Fanny☆ disse...

Também os poetas entendem o murmúrio das gaivotas, talvez melhor que ninguém...

Sabes, Outono? Aqui na minha vila, há muitas gaivotas e a minha alma voa com elas. É mágica a sensação!

Quantas vezes me sinto triste e a minha alma sorri com elas.

Escusado será dizer que amei o soneto! Não conhecia tão talentosa poetisa!

Um beijinho*

Fanny

Sol da meia noite disse...

Sempre achei estranho o modo como as gaivotas reagem à aproximação dos humanos.
Emitem sons que nunca soube definir.
Talvez seja mesmo um grito de angústia, como este belo poema refere.

Fascinam-me, tal como esta poesia me fascinou.


Um beijinho *

Gerlane disse...

Eu não a conhecia! Obrigada!
É um delicado poema, assim como a imagem dessas aves sugere.

* Beijos pra ti!

Maria Dias disse...

Fiquei a imaginar as lindas gaivotas em suas leves vestes de tule.Elas a voaam livres com nossas poesias!Amei a poesia e gostei muito de conhecer um pouco da poetisa!

Obrigada por dividir conosco este momento amigo.

Beijos e boa semana...

Maria

Maripa disse...

Lindo o poema de uma autora que não conhecia - Cacilda Celso.

Bem hajas pela partilha.

...eu,a que gostava de ser gaivota...senti-me voar dentro do soneto.

Beijo,querido Outono

Juani lopes disse...

precioso poema no lo conocia
saluditos

NAELA disse...

Imperioso este olhar! Saudades da Marginal, de Cascais onde passei 3 anos maravilhosos;)
Obrigado por partilhar tal imagem e post
Beijo muito terno

Maria P. disse...

Belíssimo, e Cascais ali ao lado...:)

Beijinho*

Maria Anjos Varanda disse...

Muito bom o poema....não conhecia a autora....

Beijos

mariam disse...

Outono,
sem ser poeta, nOstalgica fiquei!
"Gaivotas" que bonito é!
não conheço a escrita de »Cacilda Celso», obrigada por divulgares!
a imagem é linda, também!

todos teremos um pouco de gaivota/liberdade, gaivota/F.Capelo,
gaivota/Kengah de Spúlveda ...

aguardo o próximo, do Outono (com/ sem rimas) :)

um abraço e um grande sorriso :)
mariam

Desnuda disse...

Que lindo! Fico encantada com esta poetisa! Vou procurar saber mais sobre ela. Adorei, amigo! Mil beijos!


Olha no Sam e Desnuda...está mais arrumadinho no Sam rsrs, tem todos os mimos que merece o teu blog. Com imenso carinho...

Lampejos disse...

Outono,

Sim, elas tramitem um canto em cascatas de eterna angústia.


Belo e obrigada!...


(a)braços,flores,girassóis :)

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Lindo soneto, grande poetisa.
Amigo:
Ontem foi a minha audiência do processo que movi contra o meu editor que me deve muito dinheiro, mas caí em contradição, estou péssima. Dormi até a 1 e meia de amanhã, levantei-me e tomei uma dose considerável de barbitúricos para dormir. Como não consegui, fiz um post. Gostaria que fosse apreciá-lo. É uma maneira de ter os amigos perto de mim.
Um beijo,
Renata

Clara disse...

Lindíssima homenagem à Cacilda Celso.


Beijinhos

Perla disse...

Realmente belo este soneto. Encantador!

Bjs

mdsol disse...

palavras leves, palavras de sentir!
:))

Olhos de mel disse...

Oie lindinho! Amei a poesia! Não conhecia a escritora... As gaivotas, realmente, são encantadoras e alçam côos, num bailado perfeito!
Bom fim de semana! Beijos

mundo azul disse...

Muito lindo o sonetos da Cacilda!

Não conhecia a poetisa...Vou procurar ler mais algum trabalho dela!

Beijos de luz e um dia feliz!!!

tb disse...

Saber olhar...
e em letras o desenhar.
Gostei tanto do poema que escolheste como da imagem.
Beijinhos

tb disse...

voltei para dizer que já lá coloquei o "dardos" como agradecimento. Mas...sou tão má a cumprir regras. :)
beijinhos

Verónica disse...

Que maravilha de soneto outono!É de beber e chorar por mais !
Beijinho amigo
Parabéns por teres trazido o voo dessas gaivotas

OUTONO disse...

JPD

Obrigado amigo.

Já tive o cuidado, de te deixar uma pequena nota sobre o livro de Cacilda Celso, donde referenciei este soneto. Tenta, vale o esforço.

Abs.

OUTONO disse...

Fernanda

Muito obrigado.

Cacilda Celso ...é uma fonte de beleza literária.

Beijinho.

OUTONO disse...

Regina

Que bom ter notícias do lado de lá.

Beijinho.

OUTONO disse...

Cleo

O mar...e as suas envolvências...como sempre.

O canto, o voo e a presença das gaivotas, são sempre um quadro de inspiração poética.

Beijo.

OUTONO disse...

Maria

...por vezes aqui tão perto...

Obrigado amiga.

OUTONO disse...

Fanny

Quanta verdade nesse murmúrio suave do teu observar...

Beijinho.

OUTONO disse...

Sol da Meia Noite

Sabes...as gaivotas têm medo dos homens...não dos poetas.

Beijinho.

OUTONO disse...

Gerlane

Há tanto poeta...por aí perdido, e outros tantos com sorte de leitura...

Beijinho.

OUTONO disse...

Maria Dias

Adoro o mar e, a sua envolvência.

Moro a escassos dois quilómetros do mar...e por vezes as gaivotas passeiam no meu jardim...sinal de mar "zangado"!

Beijinho.

OUTONO disse...

Maripa

Sorri com o teu desabafo.

Obrigado amiga. Beijinho grande.

OUTONO disse...

Juani

Já o disse, temos tantos poetas "esquecidos"...

Saluditos.

OUTONO disse...

Naela

Como te sinto...há tanta verdade na proximidade do mar.

De Cascais, tenho saudades...dois anos ...e um gabinete de trabalho com vista para a Baía...

Beijinho doce.

OUTONO disse...

Maria P.

Cascais...ou Cascales, daí a dúvida, cascaenses...cascalenses...

Sem dúvida...gente amiga.

Beijinho

OUTONO disse...

Maria Anjos Varanda

Uma beleza sem fim.

Beijo.

OUTONO disse...

Mariam

Calma amiga...a criatividade anda em baixo...é da crise:)))

Beijinho.

OUTONO disse...

Sam e/ou Desnuda

Mil beijos, mil obrigados, mil flores pela tua presença.

OUTONO disse...

Lampejos

Gaivotas, um dos (en)cantos do mar.

Beijo.

OUTONO disse...

REnata

Cuidado com a tua saúde...

Calma!

OUTONO disse...

Clara

Nãoo se trata de uma homenagem...apenas um grande reconhecimento muito merecido...

Beijo.

OUTONO disse...

Perla

Encantadora...também a tua presença.

Beijo

OUTONO disse...

mdsol

Lindo e...tão simples.

OUTONO disse...

Olhos de mel

A beleza de palavras simples e contagiantes. cacilda Celso é assim mesmo.

Beijo

OUTONO disse...

TB

Obrigado, pelo cuidado.

Beijo.

OUTONO disse...

Verónica

Ainda bem.

Beijinho doce.

Parapeito disse...

...aguarela de palavras que pinta a existencia das gaivotas...e o sol nasceu em forma de soneto :)

***

Foi mto bom trazares até aqui a poesia de Cacilda Celso...gostei de a encontrar...e deixo te uma quadra dela :))

Teus olhos – prisma que abarco

se acaso nos meus te mires

são a metade do arco

dos meus olhos arco-íris …

Teus Olhos -Cacilda Celso

*

OUTONO disse...

Parapeito

Deixo-te um beijo grande, pela partilha e pelo teu conhecer...