My music...

https://youtu.be/IhAFEo8DO2o

segunda-feira, junho 16, 2008

Na vaga do teu pensamento...

amor



picture by Nel Chivas

Esvoacei na vaga do teu pensamento
Libertei-me dos muros altos desta saga
Entreguei-me na tua aberta clausura
Carregado de tesouros sentidos e argumentados...

E tomei repouso no regaço da tua indelével alegria
Moldado pelo peso das tuas saciedades mil
Depois da ociosidade preversa da espera

Afagaste-me o correr febril da vontade...
Curaste-me, carpindo nas feridas do silêncio imposto
Disseste-me...soluços de juras madrugadoras
E esperaste o mondar da terra seca de ontem
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
Para sorrirmos, pulando a cava do horizonte ruçado !

in - Poemas(OUTONO)- 2002


47 comentários:

JPD disse...

Gratificação da paixão e da entrega.
Muito bom.

SAM disse...

Lindo Outono. De uma suavidade e doçura...



Beijo afetuoso.

fadazul disse...

esvoace um pouco lá no meu blog!!!!!!! o seu é cheinho de doçura branda que alimenta a alma... bjks

Pecadormeconfesso disse...

Um bocado à frente.

Olhos de mel disse...

Oie lindinho, doçura e entrega permeiam esse belo poema!
Boa semana! Beijos

NAELA disse...

Outono na vaga do teu pensamento...quero gravar meu nome e adormecer na tua escrita sublime!
Mais um poema formidável, a verdadeira emoção do Amor!
Um beijo sentido

MirMorena disse...

Notei a data...2002...
Que este querer seja até o presente momento...senão.....a vida é um caminho longo...aproveita cada momento, cada sentimento...

Tua essência me cativa....
Bjuss de muito carinho

OUTONO disse...

JPD

Obrigado pela interpretação e elogio gratificante.

um abraço.

OUTONO disse...

Sam

E a tua presença...também e sempre!


Beijo muito amigo.

OUTONO disse...

Fada Azul


Obrigado...e vou esvoaçar... claro!


Beijinho.

OUTONO disse...

Pecador

À frente ???

OUTONO disse...

Olhos de Mel.

Mil obrigados. Um beijinho carinhoso.

OUTONO disse...

Naela

Na vaga...da tua escrita, perco-me de sentidos doces...

Beijinho...muito amigo.

OUTONO disse...

Mirmorena

Um trabalho de 2002, de facto.
Trabalhos que estiveram muito tempo dentro de gavetas...

Obrigado pelo teu carinho.

Beijinho.

Maria disse...

Excelente poema...

beijo

Juani lopes disse...

me encanto tu sensibilidad, realmente muy bonito
saluditos

Aran disse...

Esqueci-me de te desejar...
uma boa viagem!!!!
Que tudo corra bem...

jinhos

Maripa disse...

O amor sempre presnte. Apaixonado,
terno,cúmplice...

Abraça esse amor,não deixes que te fuja.

Beijo carinhoso e amigo,querido Outono.

tulipa disse...

Amigo
do olhar interior
do desencanto
já nem sobram
as sombras
limites
sem contornos
nem vedações
apenas,
ampliando a secura,
o grito
e o deserto
perdido nas dunas
nem sopro,
nem sombra
só um arfar
que não sei
se de raiva
se de tédio.

Abracinhos.

Lampejos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lampejos disse...

Outono,

Reluz teu poema de entrega pura,amor e pensamento profundo de que a vida só vale se for encharcada de afeto.

E é!Essa flor quotidiana!...

Agradeço o presente de suas palavras.Nos vemos por aí...

........

(a)braços,flores,girassóis :)

Lyra disse...

"Depois da ociosidade preversa da espera" virá sempre o ...prazer.

Beijinhos e até breve.

;O)

Xinha disse...

Sinto-te livre, apaixonado e tão feliz!
Que bom que é amar dessa forma...

Post lindo, escrito com muita ternura.

Xi-coração

Bina disse...

Delícia de poema...

Um abraço!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Muito, muito bonito! tocou-me muito, a mim que ainda estou acamada, não podendo sair ao sol, acho que estou até esverdeada, embolorando... Mas mesmo assim fiz um post chamado "curtas sobre filmes imperdíveis" que está logo abaixo da Trilogia. Apareça por lá.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um beijo, Renata

mariam disse...

ah! poeta, está divino...

"horizonte ruçado" extraordinário!
(não conhecia o termo, fiz pesquisa e repito, divino!)

"Identificado com o orvalho, o ruço foi também o vocábulo que fixou a diferença entre a bruma matinal se erguendo da terra e o nevoeiro que, chegando do céu, tinha origem marinha. Substantivo atracado às montanhas e sem esperança de fuga."
http://www.ihp.org.br/docs/ja20030714p.htm

um grande sorriso :)

OUTONO disse...

Maria

Excelente também a tua presença.

Fico muito agradado com o teu agrado.

Beijinho.

OUTONO disse...

Juani Lopes

Ainda hoje estive em teras de Espanha. Acabo de voltar.

Um obrigado muito sincero pela tua crítica.

Beijinho.

OUTONO disse...

Aran


Obrigado pelo cuidado.

Já cá estou. Cansado, mas satisfeito.

Beijinho.

OUTONO disse...

Maripa

Oxalá que sim...que o tenha sempre comigo.

Muito obrigado pelo teu carinho.

Beijinho.

OUTONO disse...

Tulipa

O contraste de uma flor bonita com o amargo dos sentimentos, numa bela escrita.

Curioso...

Beijinho.

OUTONO disse...

Lampejos

Escreveste:
"Reluz teu poema de entrega pura,amor e pensamento profundo de que a vida só vale se for encharcada de afeto."
Digo apenas...obrigado pela tua luz.

Beijinho.

OUTONO disse...

Lyra

Ainda bem que completaste...o sentir. Escrever é também um desafio...um apelo...

Obrigado...beijinho.

OUTONO disse...

Xinha...a do chapéu de chuva:)))

Muito o brigado pelas tuas palavras.

"Visionaste"...um mundo privado. Ainda bem!

Beijinho

OUTONO disse...

Bina.

É um poema sentir palavras tão doces.

Beijinho muito grande.

OUTONO disse...

Renata.

Fico contente com as tuas melhoras.

Demonstras seres uma mulher de coragem. Ainda bem.

Mil obrigados pelo teu comentário...sempre muito útil.

Beijinhos

OUTONO disse...

Mariam

Que bom...saber que desperto avidez de pesquisa.

É bonito...salutar e útil. Fizeste uma coisa exemplar. Assumir que pesquisaste, por desconhecer.

Beijo-te com admiração e palavra de "poeta" :))))

Paradoxos disse...

Os teus textos são sempre de uma sábia poeticidade que muito admiro estimado amigo! Forte abraço!
Edu

pin gente disse...

as minhas feridas são tão profundas que não têm já cura
o amor transformou-se nas veias num objecto cortante
que se instalou no meu corpo quase num instante
e o meu sangue jorra fora do peito enquanto ele perdura

e de nada servem lágrimas ou silêncios
a morte está próxima do meu coração ainda quente
julgando ele viver uma paixão ardente
de solidão sucumbirá, não satisfez seus cios



_________________

muito bonito o teu poema, outono
um abraço
luísa

Azul disse...

Olá Outono!

Na vaga do teu pensamento nos deliciamos.

ADOREI!

Beijo
Azul

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Hj não estou podendo fazer muitos comentários porque descobriram o meu mal,algo inesperado, meio sério e vou ser operada. Mas deixei um presente para vcs, uma resenha.
Apareçam por lá:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um abraço,
Renata
PS: Estou mandando a mesma mensagem a todos por motivos óbvios.

mdsol disse...

"Para sorrirmos, pulando a cava do horizonte ruçado !" gostei
:)

OUTONO disse...

Eduardo

Tento...no mínimo construir um agrado, primeiro pessoal...depois colectivo...TENTO!

O resultado, muitas vezes é a sentença dos leitores e/ou visitantes deste Blog...apenas e só!

A espera e o comentar, é sempre uma ânsia turbulenta...que tento gerir com calma.

Aqui e ali, vou-me habituando às verdades positivas de quem comenta com o gosto e o saber da partilha.

As tuas palavras...no teu Blog, ou no meu, são sempre uma análise atenta, para continuar a tentar.

Um forte abraço, pelo apoio.

OUTONO disse...

Pin Gente

Amiga. A tristeza, preocupa...mesmo quando escrita com beleza...Parece impossível...mas senti-o.

Beijinho.

OUTONO disse...

Azul

Ainda bem que o meu azul, continua vivo ...

O teu simples comentário é de uma verdade gratificante, ao ponto de emocionar.

Beijinho

OUTONO disse...

Renata

Força. Coragem.

Sempre ouvi dizer que esperança é a última sensação a perder.

Beijinho muito grande e, desejo enorme de tudo a correr pelo melhor.

OUTONO disse...

Mdsol

Curioso. O extracto, que editaste,na forma original, não apareceu em último lugar. E, porque gostei, coloquei-o como reflexão...

Ainda bem que o teu gosto, veio ao encontro do meu.

Beijinho.